ptafarzh-TWnlentlfrdehihuiditjakomsplruessvthvi

JAPAN FLAGCHINA FLAG

Eleições na Argentina:   uma escolha  muito  difícil  para os Argentinos 

Eleições na Argentina:   uma escolha  muito  difícil  para os Argentinos  -  de um lado  o abismo :  -  Cristina Kirchner  e de outro  lado,  o "  caos  " -  Macri .Eleições na Argentina:   uma escolha  muito  dificil  para os Argentinos  -  de um lado  o abismo :  -  Cristina Kirchner  e de outro  lado,  o "  caos  " -  Macri .

( Conteúdo retirados de cartas(com sonhos )  de Jucelino Luz )

eleições argentina

 

Evidentemente , que desejamos  uma situação positiva,  melhor para os Argentinos, no entanto, o que expressamos abaixo foi  objeto  de revelação espiritual ( sonhos premonitórios ) 

 Eleições na Argentina: o aumento vertiginoso de preços  nos últimos 10 anos  Banco central da Argentina queima reservas antes das eleições, mas peso ainda assim derrete   Cristina discreta e liberalismo 'peronista' de Macri: os capítulos finais da disputa eleitoral naquele país    -  de um lado,  a ocupação  de  seguimento  da corrupção   ,  do outro  lado,  Macri  com o sufoco  do povo -  uma luta  entre  o Abismo  e  o  Caos . Segundo, as energias  indicam que Cristina Kirchner  vai ganhar  às  eleições  de 2019  -  se nada mudar  (  com 15% de chances apenas de Macri   ) .  As Eleições : o que pode acontecer com a economia do país e como isso afetaria o Brasil?  -  Cristina Kirchner, que já foi presidente da Argentina, dessa vez vai concorrer como vice em uma chapa com Alberto Fernández -  que após alguns meses, poderá  sofrer,segundo  visões premonitórias,  possivelmente,  um infarto  fuminante e assumindo  então, Cristina  Kirschner  à  presidencia da República da Argentina .

Cristina Kirchner, que já foi presidente da Argentina, dessa vez vai concorrer como vice em uma chapa com Alberto Fernández  Mais do que isso, o cabeça de chapa dela , seu antigo chefe de gabinete e uma das vozes críticas à sua administração dentro do movimento peronista.  Desde que romperam, quando Alberto pediu demissão do cargo em 2008, os dois passaram anos sem se falar.   O pano de fundo para o reencontro, como contam políticos e conselheiros ligados à campanha que colocou a chapa como  vitoriosa  nas Eleições de 27 de outubro  de 2019, é uma colcha de retalhos: a fragmentação do movimento peronista, uma sucessão de derrotas nas urnas desde 2015, os processos judiciais aos quais responde a família Kirchner ."Cristina observou de forma bastante critica ; as eleições brasileiras, se  possivelmente Lula poderia transferir seus votos a Haddad. E isso não aconteceu", Em  seu escritório em Buenos Aires, uma espécie de bunker peronista com um grande salão ao fundo, as paredes cobertas por memorabilia argentina, estátuas de Eva e Juan Perón, fotos do Papa Francisco,( seu amigo pessoal), e um boneco de Lula, que senta no banco do carona em um carrinho pendurado do teto conduzido por Evo Morales. Todos com contas milhonarias guardado em bancos  . Amigos  fiéis  de Maduro  e outros ,  que também  possuem  fortunas  em Bancos no Vaticano  e em paraisos fiscais ...Alberto Fernández foi chefe de gabinete da então presidente Cristina Kirchner até 2008, quando pediu demissão , ela   também enfrenta uma rejeição alta entre parte dos eleitores  por descobrirem  e  saberem ainda  pouco, do que  foi  Cristina  Kirschner  , quem  deixou a Argentina  no fundo do poço  e não  Macri  que  pegou  o poço sem fundo,  mas claro, politicamente  em sua administração fez  muitas besteiras  , deixando,  o  país  em situação  terrível.Como Lula, Cristina responde a uma série de processos na Justiça, assim como os dois filhos, Máximo e Florencia Kirchner.Alberto, por sua vez, além de ser de sua confiança — apesar do afastamento —, era visto como alguém com capacidade para dialogar com diversos setores, além de ser um  "peronista técnico", ainda não exposto ao desgaste da vida política fora dos bastidores  e nesse momento,  está sendo  usado  por Cristina  Kirscher , para ganhar  às eleições  lá  . 

A Argentina em um verdadeiro   pulgatório :  -   "  com Macri  a destruição  e com Cristina  o  abismo do país  " 

 Além disso, Macri, ministros e o presidente do Banco Central terão de prestar informações a um juiz que investiga a assinatura do acordo entre o governo argentino e o FMI (Fundo Monetário Internacional) no ano passado. Entre as explicações, estão a responsabilidade do presidente na disparada do dólar e a desvalorização do peso. O atual ministro dos Transportes de Macri ainda foi indiciado por supostas irregularidades na prorrogação de contratos viários. Outra derrota recente foi quando a Suprema Corte argentina decidiu que o governo terá que arcar com a isenção de impostos para alimentos anunciada pelo presidente em agosto, sem afetar os fundos provinciais.

A Argentina se debruça à beira do abismo. Com o peso em queda livre, as Bolsas no vermelho e um risco-país que chegou a transbordar os mil pontos, a jornada das pré – eleições  demonstrou que a crise de confiança se agrava. A crescente incerteza política, com o presidente Mauricio Macri caindo nas pesquisas , mas deverá subir  depois das prévias ,.porque se trata da  única opção  para o país  não  ir ao abismo  e surgir  grandes  manifestações,  violência ,  falta de segurança  e podendo vir a transformar-se  em uma Venezuela e com a ex-presidenta Cristina Kirchner cada vez mais bem situada, entretanto,  afundou o país em dívidas monstruosas , corrupção  que soma-se à incerteza econômica; só não foi presa ainda  por movimentar  influências  em  vários setores , podendo jogar o país no abismo total,  pesam grandes dúvidas sobre a capacidade governamental de controlar a inflação.( não  vão controlar mesmo) 

Se  Cristina Kirschner  ganhar, como apontam  as energias  do momento,  haveremos  de ter uma possibilidade  entre  2023  à  2024, de surgir  um ditador  chegar  ao poder da Argentina , nas  próximas  eleições  para Presidente,  onde estará complicando  as condições econômicas  e  afundará  em violência, manifestações  - transformando  o país  , em um país  de grande pobreza, violência,  ou seja,  nas condições piores do que a Venezuela  -  onde  o Sul do país  precisará  de fechar  as relações  devido a quantidade imensa de imigrações para o Brasil  e outras localidades da América do Sul .Bolsonaro e Macri atuam por Mercosul com mais negócios e menos à esquerda, no entanto,  isso  poderá acabar  se Cristina Kirschner  ganhar às eleições , dificultando mais para ambos  países .Macri se rende ao populismo econômico em ano eleitoral  e na próxima manifestação  ganhará mais força  política . No entanto, ganha menos poder nas eleições  devido  a falta  de uma administração mais  clara  e objetiva .O Banco Central teve que elevar para 70% os juros das LELIQs (letras de liquidez) a fim de proteger a moeda local, que despenca semana após semana.

Os mercados financeiros haviam aberto com cifras muito alarmantes. O dólar era negociado a mais de 47 pesos, as ações de bancos e empresas de energia caíam mais de 10 pontos em Wall Street, e o risco-país (o ágio que os investidores cobram para emprestar dinheiro) superava os mil pontos, ou seja, 10%. Para se ter uma ideia da desconfiança internacional em relação à Argentina, convém salientar que nenhum outro país da região, exceto a Venezuela, paga um risco-país superior a 250 pontos.A Casa Rosada diz que o motivo das turbulências econômicas e políticas tem nome e sobrenomes: Cristina Kirchner. A ex-presidenta continua sem dizer uma palavra, apenas   vou ganhar  de Macri . Restam poucas dúvidas, entretanto. Kirchner já age em modo pós eleitoral ,dando  como vencedora diante de Macri.Se não  acontecer a virada , tão desejada por Macri, os argentinos sofrerão muito mais  do que já estão sofrendo com Macri no poder. 

Os mercados financeiros e a metade do país que não simpatiza com o peronismo estão alarmados com a possibilidade de um retorno da ex-presidenta. Dá-se como certo que, se voltar à chefia do Estado, renegaria o acordo com o Fundo Monetário Internacional (que entre junho e setembro passados emprestou 57 bilhões de dólares) e suspenderia o pagamento da dívida.O peso da dívidaMas a possibilidade de um default argentino existe, com Kirchner ou sem ela. Cada vez mais  expressa-se  sua  logica natural,  de que os 34 bilhões de dólares a serem devolvidos no ano que vem representam uma carga excessiva para uma economia que continua em recessão, e que o aumento da dívida em termos reais (pela desvalorização do peso) exigiria cortes orçamentários quase insuportáveis. A dívida pública argentina supera 90% do PIB, e quase toda ela está expressa em dólares.Macri voltou a culpar Kirchner. “O mundo duvida, porque acha que os argentinos querem voltar atrás; isso mete medo no mundo, então aumenta o risco-país, e são tomadas posições defensivas. Mas estão equivocados, as dúvidas são infundadas: os argentinos não vão voltar atrás, entendemos que não existe mágica e que o messianismo nos leva a destruir a sociedade”, disse. O presidente salientou que o FMI concedeu à Argentina o maior empréstimo de sua história porque tinha fé nas políticas liberais que seu governo desenvolvia.

 Na verdade, quem parece mais tranquila é Kirchner. Em 9 de maio apresentou  na Feira do Livro uma autobiografia intitulada " Sinceramente " , cuja enorme tiragem inicial (60.000 exemplares) já estava esgotada antes de chegar às lojas. A publicação do livro, às vésperas da corrida eleitoral, foi interpretada como sinal da vitória de Kirchner . Seus inimigos argumentam que a ex-presidente precisa recuperar o poder para se blindar das numerosas ações judiciais por corrupção; seus seguidores têm saudades da relativa prosperidade dos anos de Néstor e Cristina Kirchner, e clamam por seu retorno.( na verdade , não houve  Ela, por enquanto, se cala. Limita-se a difundir mensagens sobre a necessidade de “recuperar a ordem” frente ao “caos” de Mauricio Macri. A expectativa pela apresentação de seu livro, e pelo que possa dizer durante esse ato, é enorme.Cristina Kirchner desfruta de uma vantagem paradoxal. Quanto mais provável se torna sua volta ao poder, mais alarmados ficam os mercados financeiros, e mais os indicadores econômicos pioram. O que por sua vez complica a situação de Macri. Em geral, a sociedade argentina está cada vez mais decepcionada com a gestão dele, e isso se reflete em todas as pesquisas.

O homem que prometeu resolver de uma vez por todas os males endêmicos da economia (inflação e desvalorização, pobreza, corrupção) enfrenta no final de seu mandato uma crise devastadora, em grande medida por causa dos seus próprios erros. O que  os argentinas não perceberam , que todos Políticos prometem tudo para vencer as eleições, pouco se faz, ou nunca se faz, em relação  para melhorar  a vida da população, acontece  que nenhuim  dos dois  é  opção  boa para os Arentinos - podemos  considerar , que o pior todos já sabem.KIRCHNER, PROCESSADAA ascensão de Cristina Kirchner nas pesquisas coincide com novos problemas judiciais para ela. O juiz Claudio Bonadio, encarregado do chamado "processo dos cadernos", ampliou nesta quarta-feira a denúncia contra a ex-presidenta e pediu pela sexta vez sua prisão preventiva por suposta corrupção. Kirchner é acusada de liderar uma associação ilícita montada no ministério de Infraestrutura, responsável pelas obras públicas, a fim de arrecadar dinheiro ilegal de empresas beneficiadas nos contratos. A prisão "se tornará efetiva quando o Senado da Nação aprovar a perda do seu foro privilegiado, ou, quando o foro privilegiado cessar", escreveu o juiz Bonadio em sua resolução.

Na Argentina, isso nunca vai acontecer  porque  Cristina Kirschner tem a maioria  que defende a política de corrupção  que  ela  comanda no país .O magistrado considerou "inverossímil" a alegação da hoje senadora de que desconhecia as manobras de seus subordinados. A decisão contra a ex-presidenta soma novas acusações ao processo graças às delações de testemunhas que, na qualidade de arrependidas, contaram ao juiz que parte do dinheiro arrecadado ia parar no apartamento que Cristina Kirchner e seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, falecido em 2010, mantinham em bairro rico de Buenos Aires. Cheio  de luxo , quanto os que acreditam na politica  dela , cada vez mais, se afundam  num abismo sem volta .Mesmo  assim, se os eleitores não mudarem ,continuarem  cegos, Cristina  Kirschner  vencerá  facilmente as eleições com diferença  de mais de 20%  de  diferença  de seu opositor  Mauricio  Macri , que  não fez uma boa administração  e  teve escolhas ruins em seu governo .Outras  premonições sobre a Argentina:

1.  Alberto  Fernandes poderá sofrer um ataque cardiáco fuminante e / ou  ser envolvido  em  acidente fatal entre  27 de outubro de 2019  à  31 de dezembro de 2020;

2. Falta de emprego, criminalidade, vão crescer  mais  de 40%  na Argentina  em 2020 ;

3. Um ditador  poderá ganhar às eleições de 2024  podendo o país entrar em um "   abismo " , pobreza,fome ,desenprego , ficando pior do que a situação da Venezuela ;

4. Na Argentina  crise da alimentação  começa a crescer  em 16  de março de 2028  , podendo acontecer muitas emigrações;

5.  Em 2030 , a situação do avanço da marés  começará complicar para  cidades costeiras na Argentina, a maior prejudicada  será  a capital  e cidades circumvisinhas .

6. Queda de avião na Argentina, poderá matar mais  de 200  pessoas em  19  de  dezembro  de  2027


Mario  Ronco Filho  - jornalista investigativo